Black Hat SEO: Descubra o que é e como evitar com boas práticas de otimização para o Google

Balckhat: o que é e quais os principais em SEO

Black Hats são estratégias e técnicas de SEO antiéticas que têm o objetivo de conquistar as primeiras posições no Google enganando robôs e usuários

Estar nas primeiras posições do Google é uma meta de SEO importante para visibilidade. Mas, será que vale a pena a qualquer preço? 

Existem empresas que usam técnicas que o motor de busca considera ruins, chamadas de Black Hats, para encurtar caminho na conquista dos resultados desejados. O que pode trazer uma grande dor de cabeça para a marca quando o Google ou outro motor de busca descobre a farsa.

Então se sua marca quer começar a  fazer SEO dentro de casa ou contratar agência especializada, mas não tem a menor ideia se as otimizações de páginas propostas ou executadas estão entre as boas práticas ou se são maliciosas, esse post Search Lab é para você.

Confira o que é Black Hat, as principais técnicas e algumas dicas de boas práticas de SEO para evitá-los. 

Black Hat: O que é? 

Black Hats são táticas e estratégias de SEO pensadas e executadas com o único intuito de ocupar as primeiras posições dos buscadores rapidamente e a qualquer custo. 

Portanto são práticas antiéticas porque enganam os algoritmos do Google, ainda que temporariamente, para ranquear melhor. Spam, Keyword Stuff e Cloaking são alguns exemplos famosos de Black Hat, mas não são os únicos.  

Vale lembrar que essas técnicas já deram muito certo no passado porque ainda não existiam algoritmos como Google Panda e o Penguim do Google para punição. 

Assim como os outros, eles são atualizados de tempos em tempos, para manter a qualidade das informações do buscador e da experiência do usuário. 

Principais penalizações do Google para Black Hat

Quando o motor de busca descobre a manipulação, há penalizações. O que traz muitos prejuízos para a empresa que faz como: 

  • Queda no posicionamento na página de resultados de pesquisa (SERP orgânica): o que automaticamente resulta em menor tráfego orgânico para seu negócio
  • Problemas de indexação: faz demorar muito mais e pode nem conseguir 
  • PageRank é reduzido: o que tem como consequência natural a dificuldade de conseguir bom posicionamento 
  • Ser banido do Google: além de não aparecer no maior buscador do mundo, quem é descoberto fazendo Black Hat ainda corre o risco de ficar de fora de toda a rede parceira do Google

SEO Black Hat: diferença para White Hat e Grey Hat

Já parou para se perguntar porque as práticas antiéticas de SEO ganharam o nome de Black Hat (que significa chapéu preto em português)? Essa expressão, na verdade, foi herdada diretamente dos hackers.

Um Black Hat Hacker ou Phracker é aquele que usa seus conhecimentos de maneira maliciosa para ganho pessoal. Portanto invade computadores para dar golpes e outras ações antiéticas e maliciosas. 

Vale destacar que, tanto para Black Hat SEO quanto para hackers, a expressão chapéu preto surgiu como uma referência aos vilões de filmes western (faroeste). Isso porque gênero é famoso por ter caubóis de chapéu preto como vilões e os protagonistas, considerados do bem, de chapéu branco (o que deu origem ainda ao termo White Hat SEO).

De volta a realidade das otimizações para mecanismos de busca, entenda o que significa cada uma dessas estratégias:  

  • Black Hat: são práticas de SEO que manipulam os algoritmos do Google ou outros buscadores para conquistar as primeiras posições sem pensar no usuário. Costumam usar SEO bem técnico e até estratégias sofisticadas parecidas com pirâmides (como no PBN) para alcançar seu objetivo de ranquear bem.  
  • White Hat: são estratégias e técnicas de SEO que respeitam as pessoas focando na experiência do usuário . E inclusive seguindo as diretrizes de qualidade do Google (que são consideradas as melhores práticas). 
  • Grey Hat: é a mistura desses 2 tipos de estratégias de SEO que origina o chapéu cinza. Ou seja, podem usar estratégias éticas a maior parte do tempo, mas usar algumas que se aproximam do Black Hat de vez em quando. Ex: fazer comentários em posts de terceiros com a única intenção de divulgar uma URL para assim aumentar o tráfego nessa página. Ou seja, não chega a ser antiético, mas também não se pode chamar de uma boa prática de otimização. 

Black Hat SEO: principais técnicas maliciosas de otimização para você evitar 

Ao longo da história do SEO, muitas coisas que geravam resultados certeiros no passado se tornaram Black Hat com o passar dos anos. Ou seja, hoje em dia, sofrem penalizações como queda no ranqueamento e até mesmo expulsão do buscador.

Por esse motivo quando o assunto é técnicas de otimização para o canal orgânico é preciso sempre estar atento às atualizações dos algoritmos do Google para não fazer Black Hat (ainda que sem querer). 

Além disso, vale a pena ficar ligado no que o mecanismo de busca considera boas práticas de otimização. Essas informações valiosas para SEO estão reunidas nas diretrizes para webmasters do Google, entre outras documentações. 

Confira as principais técnicas de Black Hat SEO para sua empresa ficar bem longe delas:

Cloaking

Em inglês, a palavra significa algo como disfarce ou camuflagem. Já em SEO, cloaking é o Black Hat que tenta enganar o Google com 2 versões do mesmo site:

  • Uma exclusivamente para o buscador:  toda bem otimizada com o único objetivo de conquistar boas posições
  • Outra apenas para o usuário: com uma otimização ou outra, mas que não conseguiria ranquear bem porque não entrega a melhor experiência para quem navega   

Doorway page  (gateway page)

São páginas criadas especificamente para ranquear bem em determinados termos. E quando as pessoas acessam são redirecionadas automaticamente para um site diferente com o objetivo de aumentar o tráfego dele. 

Essa “página isca” costuma ter um conteúdo raso, mas bem otimizado com keywords estratégicas para ocupar as primeiras posições do Google para ganhar cliques . E não tem o menor comprometimento com uma boa experiência de usuário.

Por esse motivo o Black Hat, que engana pessoas e robôs do Google, ganhou esse nome. Tanto Doorway quanto Gateway podem ser traduzidos como porta de entrada.

Conteúdo oculto na página

Outro Black Hat muito comum na produção de conteúdo, há alguns anos, era usar muitas vezes a palavra-chave exata escondida nas páginas e também criar links ocultos com o único intuito de conseguir boa posição no Google. Para isso, eram usadas fontes na mesma cor do fundo. 

Antigamente fazer isso gerava resultados positivos, porém hoje apenas penalizações. Isso porque os algoritmos do Google entendem muito melhor contexto, campo semântico e até  mesmo a intenção do usuário com a pesquisa. Portanto ranquear bem assim, em 2020, é muito difícil e extremamente arriscado.

Conteúdo duplicado

É quando sua empresa faz plágio de conteúdos bem posicionados no Google. O que pode incluir roubar a autoria de um texto inteiro ou usar muitos trechos dele nas suas páginas. 

Além disso, quando você só copia e cola um mesmo texto em todas as páginas de categoria do seu ecommerce, por exemplo, também está praticando esse Black Hat.

Para evitar penalizações por conteúdo duplicado pelo Panda, a dica é produzir conteúdos otimizados que sejam originais, naturais, úteis, relevantes e de qualidade. 

Keyword Stuff 

Técnica defasada de otimização de conteúdo para SEO,Keyword Stuff é a repetição excessiva de uma palavra-chave exata que resulta em textos artificiais e extremamente irritantes para quem lê. 

Porém, há 10 anos ou mais, realmente gerava resultado deixando as páginas nas primeiras posições do Google.

Para coibir essa má prática, o maior buscador do mundo acabou se aprimorando. Foi então que surgiram alguns algorimos importantes para deixar apenas conteúdos de qualidade no top 5 do ranking como:

  • Panda: garante a qualidade dos conteúdos e penaliza Keyword Stuff, entre outros Black Hats, com queda no ranqueamento.
  • Hummingbird: amplia o entendimento de campo semântico do Google permitindo que long tails (palavra-chave de cauda longa), sinônimos e termos relacionados fossem usados no conteúdo otimizado de maneira natural. 
  • RankBrain: inteligência artificial que permite que o buscador aprenda com as pesquisas realizadas pelos usuários (inclusive com as novas). O que faz com que as SERPs fsejam cada vez mais assertiva e personalizadas.
  • Penguim: assegura a qualidade dos backlinks e evita PBNs e outros Black Hats de Link Building com punições para quem fizer.
  • BERT: analisa a qualidade do conteúdo da maneira mais próxima possível do que faria um cérebro humano. O que também ajuda indiretamente a deixar páginas com Keyword Stuff, por exemplo, bem longe da primeira página do motor de busca. 

Quer aprender a planejar conteúdo otimizado White Hat? Baixe gratuitamente nosso checklist de conteúdo otimizado gratuito.

Baixe grátis o checklist de otimização de conteúdo Search Lab

Backlinks tóxicos e SEO negativo

Ter muitos links saindo de páginas de terceiros para as suas, sem o menor contexto, é considerado backlink tóxico e consequemente Black Hat. Como, por exemplo, um link para uma loja de roupas infantis e um site de materiais de construção. 

Além disso, o Google fica em alerta quando seu site ganha muitos backlinks repentinamente. Então é preciso ter um cuidado especial com a linkagem externa porque a qualidade dela é um importante fator de ranqueamento. 

 Vale lembrar que não é incomum concorrentes antiéticos praticarem SEO negativo. Como, por exemplo, espalhar backlinks tóxicos pela web com suas URLs com o intuito de fazer sua loja virtual ou site perder posições no ranqueamento. Entre outras práticas desleais. 

Para evitar esse tipo de problema, e até mesmo resolver outros Black Hats, a dica é fazer uma auditoria SEO regularmente em suas páginas. Se quiser começar agora mesmo, é só baixar nosso Checklist gratuito porque o arquivo mostra como identificar e resolver a questão dos backlinks tóxicos dando um Disavow.  

Auditoria SEO: Confira nosso checklist de otimização onpage

Private Blog Networks (PBN)

É ter uma rede privada de blogs com o único intuito de linkar para um site principal para que ele atinja as primeiras posições do Google. O que aumenta também o tráfego dele.

O PBN portanto funciona como se fosse um esquema de pirâmide. Inclui sites com boa autoridade (que normalmente são de domínios expirados porque o Google prioriza conteúdos mais antigos quando eles têm qualidade).

Há também sites com menor autoridade que Link Farm para os de autoridade intermediária, que por sua vez, geram backlinks para os com maior autoridade. E esses por fim para o site principal. 

Embora seja um Black Hat sofisticado e difícil de ser identificado, o Google quando descobre aplica severas punições que vão de queda de muitas posições na SERP repentinamente até expulsão do motor de busca.

Private Blog Network (PBN) é um blackhat: veja como funciona

Link Wheels

É uma rede de sites que tem o mesmo objetivo do PBN (troca de backlinks para conquistar melhor posição no Google para aumentar o tráfego e transferir autoridade). 

Porém, a diferença é o esquema de linkagem entre os websites e blogs, que em vez de formar uma grande pirâmide, são planejados e estruturados para formar vários círculos ou rodas (daí o nome em inglês) para tentar enganar melhor o Google.   

Mas, a lógica é bem parecida, já que apenas os sites com maior autoridade é que linkam para o site principal. Quando o buscador, por meio do algoritmo Penguim, descobre as maiores punições são aplicadas.

Link Wheels é um blackhat que tenta enganar os buscadores com uma rede de blogs para transferência de autoridade por meio de backlinks

Link Farm

É outro Black Hat famoso que envolve uma rede de sites . A expressão da língua inglesa pode ser traduzida como Fazenda de Links. E ganhou esse nome porque cada participante do Link Farm recebe backlinks de todos e também linka para quem estiver envolvido no esquema de SEO Off page antiético. 

Link Farm é um blackhat de troca de backlinks entre uma rede de sites de forma que todos linkam para todos

SPAM em blogs

Em alguma postagem sua já apareceu um comentário, sem o menor sentido, com um backlink? Spams em comentários é um dos Black Hats em SEO mais odiados. Porém,  muitas pessoas ainda praticam sem saber que se trata de uma prática antiética que pode ser punida pelo Google.

Caso o comentário faça algum sentido e o link agregue alguma informação relevante para a sua audiência pode até ser considerado Grey Hat. Mas, ainda assim, está longe de ser uma boa prática de otimização para buscadores.

Conclusão

Conquistar posições estratégicas na primeira página do Google é fundamental para que sua marca tenha visibilidade e até mesmo credibilidade. E para alcançar essa meta, existem 3 diferentes caminhos: 

  • White Hat: Ético: 
  • Black Hat: Antiético 
  • Grey Hat: mistura dos 2

Na dúvida, é importante lembrar o seguinte: o Google está sempre querendo oferecer a melhor experiência de usuário para dessa forma as pessoas ficarem satisfeitas e continuarem pesquisando nele cada vez mais. 

Então se alguma otimização é focada em enganar algoritmos e robôs de buscadores em vez de focar na qualidade de informações para melhorar a vida das pessoas, esse é um forte indício que se trata de Black Hat.

Quer saber mais sobre o canal orgânico e otimizações para buscadores na prática? Baixe gratuitamente nosso ebook 30 dúvidas de SEO que traz respostas de especialistas para as principais perguntas de gestores de projetos e gerentes de ecommerce.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossos Parceiros
Plataformas
Newsletter
Confirme que não é um robô
Rolar para o topo