Descubra quais os algoritmos mais importantes para e-commerces

Para interpretar melhor a pesquisa do usuário e ranquear as páginas de resultado da busca orgânica de forma mais eficaz, o Google conta com uma grande quantidade de algoritmos, que estão sempre em constante atualização, e também com mais de 200 fatores de ranqueamento.

Por isso quem trabalha com SEO, precisa estar sempre de olho nas inovações tecnológicas do maior buscador do planeta. 

Mas, não se preocupe, porque não é todo novo algoritmo ou update que deixa a SERP de cabeça para baixo e joga sua loja virtual lá para a segunda página do Google. 

Quer saber quais realmente contribuem com SEO para lojas virtuais e os resultados do seu negócio online? Confira este post porque você vai entender um pouco sobre esses algoritmos e descobrir como eles impactam na performance de e-commerces. 

Algoritmos relacionados à experiência mobile

Você sabia que 5 bilhões de pessoas vão acessar a internet via smartphone, até 2025, em todo o mundo? Isso segundo o Relatório da Economia Móvel 2019 realizado pela GSMA Intelligence.

Só para você ter uma ideia, atualmente 3,6 bilhões de pessoas navegam pela web via celular mundialmente falando. E aqui no Brasil, 97% dos internautas já utilizam smartphone para acessar a internet, segundo o estudo mais recente da TIC Domicílios (2018). 

Como o Google vem acompanhando esse comportamento do usuário recorrente nos últimos anos, o maior buscador do planeta passou a valorizar ainda mais páginas que oferecem melhor experiência para usuários de dispositivos móveis

Por esse motivo surgiram algoritmos para privilegiar boas versões mobile de sites na SERP. E eles são realmente importantes para conquistar bons resultados para sua loja virtual como:

  • Mobile Friendly: em vigor desde 2015, quando cerca de 60% das buscas orgânicas no Google já eram feitas por meio de dispositivos móveis, esse algoritmo já ranqueava melhor na SERP as versões mobiles das páginas que ofereciam boa experiência para usuários móveis.
  • Mobile First Index: lançado em 2018, o algoritmo do Google só seguiu o comportamento do usuário, que passou a usar mais o celular para pesquisar na internet do que o computador. Por esse motivo, o buscador começou a indexar primeiro as versões mobile das páginas.  

Ou seja, não tem mais como deixar sua loja virtual otimizada para os buscadores, em plena a Era Mobile, sem torná-la amigável para quem realiza compra online via celular ou tablet.

Google Speed Update (Mobile Speed)

Imagine que você precisa comprar algo pela internet do seu smartphone e a página que você clicou na busca orgânica demorasse muito a carregar… 

Isso traria uma péssima experiência de usuário para você. E na hora, você iria comprar em outro site. Porém, imagina se todas as lojas virtuais apresentassem lentidão. Justamente para evitar esse tipo de problema que o Google desenvolveu o algoritmo Mobile Speed que é atualizado periodicamente. 

Com ele, o gigante da busca orgânica consegue posicionar melhor as páginas de versões mobile com baixo tempo de carregamento. O que garante uma boa experiência do usuário também para quem acessa de celular ou tablet.  

A importância da velocidade de carregamento de página nos micro-momentos 

Você pode até nunca ter ouvido falar de micro-momentos, mas com certeza já vivenciou inúmeros na última década. 

Isto é, quando você estava no meio de uma viagem e precisou sacar dinheiro, às pressas, para pagar um passeio que decidiu fazer em cima da hora. E como só aceitavam pagamento em espécie, certamente você deve ter consultado o Google no celular para descobrir onde era o banco mais próximo. 

Ou quando você estava indo para o trabalho e lembrou, no meio do engarrafamento, que precisava aprender como fazer algo. E por isso leu, ali mesmo no ônibus ou metrô, um post que explicava tudo nos mínimos detalhes. 

Já passou por situações semelhantes? Então você já vivenciou micro-momentos e entende como a velocidade de carregamento de página é fundamental para possibilitar a realização da ação que você quer o mais rápido possível. 

Panda

O Google valoriza conteúdo original, relevante e de qualidade para sempre oferecer imediatamente ao usuário o que ele procura. E para isso, o maior buscador do planeta criou o algoritmo Panda que passou a melhorar a experiência do usuário servindo como um controle de qualidade do conteúdo.  

Para isso, ele começou a punir páginas que realizam práticas que não são boas para as pessoas e até mesmo para o próprio negócio como:

  • Conteúdo duplicado
  • Reutilização de conteúdo dentro de páginas 
  • Quantidade excessiva de keywords (textos artificiais)
  • Backlinks de baixa qualidade
  • Bounce Rate alto
  • Elevada taxa de visitantes únicos

Conteúdo otimizado útil traz ótimos resultados que vão além do SEO

O Panda não é um algoritmo do Google que nasceu para dar mais trabalho aos e-commerces. Na verdade, ele veio para sinalizar a importância estratégica do conteúdo de qualidade para seu negócio

Quando você investe na produção de conteúdo otimizado, é mais fácil se posicionar na primeira página do buscador, levando mais tráfego orgânico para sua loja virtual. 

E ainda há a oportunidade de conquistar novos clientes por meio de informações úteis em textos otimizados e persuasivos Confira algumas dicas:

  • Descubra a intenção do usuário
  • Pesquisa de palavra-chave
  • Invista em storytelling para as páginas (principalmente de produtos, categoria e Quem Somos) 
  • Utilize técnicas de Link Building naturais e que façam sentido

Hummingbird

O algoritmo do Beija-Flor do Google foi lançado para fortalecer a importância do conteúdo de qualidade. Mas, diferente das punições do Panda, o Hummingbird chegou trazendo uma inovação tecnológica que permitiu a ampliação do campo semântico. 

O que facilitou evitar a péssima prática de Keyword Stuff. Dessa forma foi possível incluir nos textos também:

  • Sinônimos
  • Long tails (palavras-chave de cauda longa)
  • Termos relacionados
  • Termos transacionais ou informacionais 

Além disso, se tornou desnecessário criar sua loja virtual usando a keyword exata do seu nicho na URL. Então, por exemplo, se seu e-commerce vende maiôs e biquínis, o nome do site tinha que ser algo como www.lojademodapraia para ranquear bem no Google antigamente. 

O algoritmo Hummingbird também incentivou o analista de e-commerce a usar palavra-chave de cauda longa e a otimizar o texto ALT das imagens (o que não era muito praticada até então).

Penguin

Antigamente Link Building era sinônimo de compra de backlinks em site sem a mínima relevância para o nicho. E até mesmo troca de links entre empresas que o conteúdo nada tinha a ver um com o outro. 

Mas, com o lançamento do algoritmo Penguin, o Google passou a analisar mais precisamente cada linkagem punindo aquelas que não tinham a menor relevância e naturalidade. A começar pelos PBNs (Private Blog Network) que são redes de sites próprios criados só para realizar linkagem de um para o outro e ranquear melhor.

E assim o Pinguim revolucionou a maneira de fazer SEO Offpage. Por esse motivo, hoje em dia, o serviço de Link Building é muito mais próximo de uma Assessoria de Imprensa Digital sendo baseado nas boas práticas recomendadas pelo Google.

Ou seja, os backlinks podem ser colocados estrategicamente em textos otimizados. Mas, sempre fazendo sentido e com total naturalidade. 

Para isso, a dica é se colocar no lugar das pessoas para identificar qual keyword faz mais sentido em relação à URL de destino. E principalmente como, para onde irá levar, poderá agregar à experiência de usuário positivamente.  

E o famoso Google BERT?

Rolando na busca orgânica do maior buscador do mundo, desde o fim de 2019, o Bidirectional Encoder Representations from Transformers (BERT), que é o mais novo algoritmo do Google, causou muita preocupação na ocasião. 

Isso porque todos queriam saber como atualizar suas lojas virtuais e sites para essa novidade. Mas, a verdade é que o BERT não requer otimizações especiais se você já tem conteúdo otimizado focado em responder as principais dúvidas do seu usuário. E já leva em conta a intenção do usuário na produção de conteúdo otimizado. 

Vale lembrar que assim como o Rankbrain, ele permite que o Google aprenda a cada nova busca que o internauta faz por meio de machine learning. 

Só que no caso do BERT, é uma tecnologia ainda mais evoluída (deep learning) porque a inteligência artificial aprende com base em redes neurais. O que permite que o buscador entenda até o sentido figurado das palavras, além de sinônimos e variações.

Ou seja, na prática, o BERT só veio garantir mais naturalidade nos conteúdos. O que já era uma tendência. Afinal, excesso de repetição de palavra-chave resulta em textos artificiais e só prejudica o posicionamento hoje em dia.

 Conclusão

O Google cria novos algoritmos de tempos em tempos. E também atualiza os já existentes regularmente. Por esse motivo experts em SEO precisam estar sempre acompanhando as mudanças. 

Mas, a boa notícia para você que gerencia e-commerce é que nem todos os updates e algoritmos influenciam diretamente a performance da sua loja virtual.  

Até o momento, os mais importantes são o Panda, Penguin, Hummingbird, Mobile Speed e os outros ligados à versão mobile da loja virtual como Mobile First Index e Mobile Friendly.

Vale lembrar que monitorar novidades sobre algoritmos é importante, mas não é a única coisa que envolve um projeto de SEO para e-commerce

Quer entender como a otimização de sites para buscadores pode melhorar os resultados da sua loja virtual na prática? Então vamos trocar uma ideia sobre os principais desafios do seu e-commerce e como o SEO pode ajudar! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossos Parceiros
Plataformas
Newsletter
Confirme que não é um robô
Rolar para o topo