algoritmos-do-google-search-lab

Entenda como os algoritmos do Google atuam no SEO.

Algoritmos do Google

Algoritmos

Possuir um site bem ranqueado no Google para as palavras-chave estratégicas do seu negócio pode ser o diferencial no faturamento da sua empresa. Mas para garantir que o seu site esteja bem posicionado na primeira página da SERP é importante conhecer os principais fatores de ranqueamento utilizados pelos algoritmos do Google.

Algoritmos são fórmulas responsáveis por transformar as perguntas em respostas para o usuário em suas buscas. Permanentemente o Google está trabalhando em atualizações de seu algoritmo para aperfeiçoar a experiência do usuário (UX). Cada atualizações recebe um nome diferentes. Algumas delas foram o Piegon, Penguin, Rankbrain, Hummingbird, Possum, Mobile Friendly e Panda.

Cada atualização foca em algum aspecto específico da busca e fatores de ranqueamento.

Entender as atualizações dos algoritmos do Google são desafios para o trabalho de SEO, uma vez que exigem melhorias e adaptações no seu site. É muito comum que um site perca acesso orgânico logo após uma atualização do algoritmo. É um sinal de alerta de que o site precisa melhorar os aspectos que o novo algoritmo focou.


Fatores de Ranqueamento

Para alcançar o melhor resultado de busca, o algoritmo do Google utiliza alguns parâmetros, conhecidos como fatores de ranqueamento.
A quantidade de fatores de ranqueamento é enorme. São mais de 200 fatores de ranqueamento.

Entretanto, existem 3 grupos de fatores que são os mais importantes: Conteúdo, Backlinks e RankBrain. Conheça abaixo.

conteúdo e algoritmo

CONTEÚDO

Reconhecidamente o conteúdo é um dos fatores mais importantes para o ranqueamento do Google.

Ao crawler do Google interessa que o usuário tenha a melhor experiência ao usuário (UX).

Fornecer conteúdo de qualidade é um passo primordial neste sentido. Para que o robô do Google entenda que o seu site é relevante para o usuário é importante que o conteúdo do seu site possua algumas características, tais como:

  • Tamanho
    Idealmente o texto deve ser o mais completo possível, abordando os temas de forma densa. Por isso, espera-se que o texto seja relativamente longo. Conteúdos com mais de 2.000 palavras tendem a ranquear melhor no Google.
  • Densidade
    Estreitamente atrelada ao item anterior, é preciso que o conteúdo seja aprofundado no tema proposto. Textos superficiais não performam tão bem na SERP. No entanto, o famoso "encher linguiça" também deve ser evitado. Se um texto não rende 2.000 palavras não é interessante simplesmente aumentá-lo usando artifícios como, redundâncias, por exemplo.
  • Palavras-chave
    O uso das palavras-chave estratégicas dentro do texto também é fundamental para sua landing page ranqueie bem no Google. De preferência a palavra-chave deve estar na title da landing page e estar distribuída com uma boa densidade dentro do texto. Utilizar palavras sinônimas e outras dentro do campo semântico da palavra-chave também são boas práticas;
  • Atualização
    O tempo de existência de uma landing page também um fator de ranqueamento. Ou seja, quanto mais antiga a sua página maior a probabilidade de ela ranquear bem, pois as landing pages vão ganhando autoridade como tempo. No entanto, o crawler vasculha as URLs periodicamente. Por isso, manter seu conteúdo atualizado é importante para que o robô do Google interprete que sua página continua relevante.
backlinks e algoritmo

BACKLINKS

A construção de uma rede de backlinks apontando para o seu site é costumeiramente considerada como o fator de ranqueamento mais importante do Google. Contudo, não adianta ter uma quantidade enorme de backlinks da má qualidade apontando para o seu site. Backlinks são como votos de confiança. Se vários domínios relevantes apontam para o seu site, o robô do Google tenderá a interpretar que o seu site também é bom. Mas o inverso também é válido. Sites ruins linkando para sua página será ruim. Ou seja, quantidade não é tudo. Qualidade e variedade podem ser mais importantes. Algumas métricas importantes para mensurar são as seguintes:

  • Quantos domínios direcionam backlinks para o seu site;
  • A relevância destes domínios (domain autorithy, trust flow e citation flow);
  • Verificar a quantidade de links DoFollow.
inteligência artificial e algoritmo

RANKBRAIN

Fornecer conteúdo de qualidade é um passo primordial neste sentido. Para que o robô do Google entenda que o seu site é relevante para o usuário é importante que o conteúdo do seu site possua algumas características, tais como:

O rankbrain é a inteligência artificial criada pelo Google para auxiliar no processamento das buscas.

O sistema é parte do algoritmo do Google que se utiliza do aprendizado da máquina para aperfeiçoar a apresentação dos resultados na SERP.

O aprendizado da máquina significa que o sistema detém conhecimento da mesma forma que o ser humano, ou seja, conseguindo fazer conexões entre informações já adquiridas e novos dados sem precisa que um ser humano ensine a máquina.

Na prática, o rankbrain permite que o algoritmo do Google, a partir da atualização Hummingbird, consiga mostrar resultados que estão indiretamente relacionados ao termo da busca.

O rankbrain é especialmente útil quando a busca ocorre por termos mais específicos, conhecidos como cauda longa.

Devido à especificidade a busca, os resultados seriam limitados, com o rankbrain o Google consegue apresentar resultados mais genéricos, mas que podem auxiliar o usuário, melhorando a experiência do indivíduo.


Algoritmos e updates do Google

Pigeon

pigeon

Pigeon (pombo, em inglês) é uma atualização do algoritmo do Google lançada em 2014 que passou a beneficiar sobretudo pequenas e médias empresas. O pombo foi o responsável por conferir maior relevância para buscas locais, como isso o trabalho focado em SEO para buscas locais se tornou ainda mais importante. A partir do Pigeon, quando uma busca é feita no Google a SERP exibe resultados de empresas de acordo com a localização do usuário, mostrando comentários de outros usuários, distância, preço, endereço, contatos, entre outras informações.

A atualização do Pigeon também está diretamente relacionado com a maior relevância para palavras-chave cauda longa, isto porque usuários estão cada vez mais fazendo buscas por meio da voz. Por exemplo, se um usuário está buscando por “salão de beleza no meu bairro”, o Google mostrará resultados de salões próximos à localização do usuário.

O novo algoritmo surgiu como uma resposta do Google ao enorme aumento de buscas feitas a partir de smartphones nos últimos anos por usuários que estavam procurando por algum serviço ou empresa próximos à localização deles. O nome Pigeon é uma referência ao pombo, ave que tem a capacidade de identificar seu destino de forma precisa.

O Pigeon surgiu para ser um aliado para empresas pequenas e locais. Por isso, estas empresas devem se preparar para usufruir das buscas locais. Para empresas que possuem restaurante, salões de beleza ou petshop, por exemplo, devem prestar atenção a algumas otimizações que precisam ser feitas.

Como melhorar seu SEO para buscas locais

  • Cadastre seu negócio do Google Places
  • Crie uma página e interaja com consumidores no Google Plus, incentivando-os a comentar positivamente sobre seu negócio
  • Faça a marcação de dados do seu endereço
  • Cadastre um telefone fixo no seu perfil, isto facilitará a identificação da localização do seu negócio por meio do prefixo
  • Se cadastre em sites e diretórios confiáveis que mostram empresas e serviços de sua região

Panda

O Panda é uma atualização do algoritmo do Google passou a ranquear sites de acordo com o conteúdo apresentado ao usuário. O objetivo era punir sites que mostravam conteúdo de baixa qualidade e copiado de outros sites.

panda

Até aquele momento era comum sites com pouco conteúdo e de baixa qualidade ranquearem muito bem na SERP. O uso de estratégias de content farm também era bastante difundido. Portanto, produzir conteúdo relevante e original passou a ser uma tarefa primordial na estratégia de SEO. O Panda está em constante atualização desde 2011.

Desta forma, quando foi lançada a versão 1.0 do Panda, ela revolucionou o trabalho de SEO, pois foi preciso alterar as estratégias de conteúdo, pesquisa de palavras-chave e até o trabalho de link building.

A partir do Panda 4.0, chegou-se a um consenso em relação a alguns fatores que geram punições. Alguns deles são:

  • Conteúdo duplicado
  • Backlinks de baixa qualidade apontando para o seu site
  • ​Bounce rate elevado
  • Baixo índice de visitantes recorrentes
  • Reutilização de conteúdo dentro do site (parágrafos ou textos padrão em várias landing pages)
  • Excesso de palavras-chave nas landing pages
  • Panda 1.0
    Focou principalmente em punir sites que faziam content farm, ou seja, contratavam redatores para escrever conteúdos de baixa qualidade, mas focados em palavras-chave com intuito de ranquear bem na SERP. Ter redatores para produzir conteúdo é importante, desde que o conteúdo tenha qualidade.
  • Panda 2.0
    Atualização focada em pesquisas internacionais que afetou resultados do google.co.uk, google.com.au, além de buscas feitas em inglês em outros países como Brasil e França.
  • Pandas 2.1 até 2.4
    Atualizações mais focadas em penalizar sites com conteúdo fraco e beneficiar sites com conteúdo relevante. Sobretudo sites que conseguiam engajar os usuários e que se preocupavam com a navegabilidade tiveram ganhos.
  • ​Panda 3.0
    Ainda em 2011, houve uma nova atualização e houve recomendações específicas para não ser punido, tais como: atualizar e aperfeiçoar conteúdos antigos, criar artigos novos e originais, usar apenas informações com boa referência e escrever conteúdos com boa qualidade textual.
  • Panda 4.0
    Pulando para 2015, esta atualização do algoritmo do Google impactou diretamente grandes sites que dominavam a SERP para palavras-chave head tails. Os principais setores afetados foram mercado imobiliário, tecnologia, moda, viagem e seguros.

Rankbrain

rankbrain

Em outubro de 2015 o Google lançou uma nova atualização de seu algoritmo. O Rankbrain trouxe a inteligência artificial e o aprendizado da máquina para os resultados mostrados na SERP. Apenas 15% das buscas diárias feitas no Google são novas. As outras 85% das pesquisas são recorrentes. A partir desta informação, o Google desenvolveu o Rankbrain, que deve conseguir aprender com as buscas feitas pelo usuário e, assim, apresentar melhores resultados.

O aprendizado da máquina funciona de forma que a máquina consegue aprender sozinha fazendo suas próprias conexões a partir das buscas feitas pelos usuários. O Rankbrain é mais útil para buscas que usam termos mais longos, os chamados “long tail”. Como se tratam de pesquisas com palavras-chave muito específicas, o Google apresenta uma quantidade menor de resultados.

Com o Rankbrain, o algoritmo consegue mostrar resultados que não se referem diretamente à busca feita, mas que estão relacionados e podem auxiliar o usuário a encontrar a informação desejada. O algoritmo permite que o Google consiga fazer conexões entre pesquisas que aparentemente não têm conexão entre si. Outra aplicação do Rankbrain é quando usuários fazem pesquisas utilizando termos coloquiais ou termos com significado ambíguo.

Rankbrain e SEO

O Rankbrain não foi uma atualização que gerou grandes mudanças nos resultados de buscas, tampouco não alterou o crawling do Google nem afetou a forma como o Google faz a indexação de páginas. Entretanto, é possível inferir algumas conclusões sobre como podem melhorar a otimização de um site a partir do Rankbrain.

  • Aumente a quantidade de palavras-chave em seus conteúdos
  • Inclua também sinônimos e termos relacionados a estas palavras-chave
  • Atualize, melhore e expanda seu conteúdo, incluindo novas informações que completem o texto
  • Fique ainda mais atento à experiência do usuário, uma vez que com o Rankbrain tende a se parecer cada vez mais a um ser humano

Penguin

penguin

O Google lançou em 2012 (e versões posteriores nos anos seguintes) uma atualização de seu algoritmo focada em aperfeiçoar os resultados das buscas. Enquanto o Panda pune sites com conteúdos de baixa qualidade, o Penguin visa identificar estratégias de linkbuilding consideradas não legítimas, que visam manipular os resultados da SERP. Com o Penguin, o algoritmo do Google consegue fazer uma leitura do perfil de backlinks que apontam para o seu site, punindo caso interprete que foram utilizadas táticas spam ou black hat.

Desde o lançamento do Penguin a maioria das estratégias de linkbuilding deixaram de ter efeito e muito sites foram punidos, perdendo ranqueamento por conta da construção de backlinks não naturais. O Penalty Checker é uma ferramenta que permite descobrir se um site foi punido pelo Penguin. Uma análise mais aprofundada identificará exatamente o motivo e como reverter uma punição sofrida.

Estratégias de autoridade de link building

Após a atualização Penguin as estratégias de linkbuilding tiveram que ser completamente remodeladas e se tornaram um dos trabalhos mais complexos em SEO. O Google passou a valorizar ainda mais backlinks orgânicos e de qualidade.A relação entre o Panda e o Penguin fica mais clara se pensarmos que um conteúdo muito bom e completo servirá de referência para outros sites que, naturalmente, irão linkar para o seu artigo, gerando backlinks orgânicos. Este é o objetivo do Google com o Panda e o Penguin.

Entretanto, conquistar links externos é uma tarefa que demanda muitas horas de trabalho, custo com ferramentas e uma equipe qualificada. Além disto tudo, as estratégia de linkbuilding é a mais suscetível a punições. Por isso, é preciso estar extremamente atento aos fatores que podem levar a uma punição. 

Confira alguns fatores que podem gerar punição pelo Penguin.

  • Compra de backlinks
  • Troca de backlinks
  • Evite ganhar muitos backlinks em pouco tempo
  • Excesso de palavra-chave dentro do texto
  • Excesso de links no texto-âncora exato
  • Evite ganhar links em sites de diretórios de artigos
  • Não crie PBNs (rede de blogs próprios linkando para o seu site)

Mobile Friendly

mobile friendly

A maior parte da população mundial acessa internet por meio de dispositivos móveis (smartphones e tablets). A atualização Mobile Friendly foi lançada com objetivo de ranquear melhor sites que se preocupam em ter versões otimizadas para dispositivos móveis, melhorando a experiência do usuário (UX). Na época do lançamento, em 2015, estimava-se que mais de 60% das buscas no Google eram feitas através de dispositivos móveis.

A atualização do Mobile Friendly veio justamente adaptar o Google à nova tendência de comportamento de buscas dos usuários e transformando sites mobile friendly em fator importante de ranqueamento. O interessante é que a mudança não afetou apenas pesquisas feitas via dispositivos móveis, ela influenciou inclusive o resultado de buscas feitas em desktops.

A partir desta nova atualização do algoritmo do Google, páginas que sejam mobile friendly receberão do Google um impulso nos resultados da SERP. Com isso, o Google exibe somente páginas que seja amigáveis, facilitando a vida dos usuários. Ou seja, se o seu site não é mobile friendly ele perderá posicionamento e tráfego.

Por isso, desde a atualização Mobile Friendly possuir um site com design responsivo se tornou uma obrigação, mais do que uma opção. Possui um site mobile friendly não deve uma tarefa apenas por exigência do Google, afinal, a tendência é que os acessos feitos por meio de celulares e tablets continuem aumentando e ter um site responsivo melhorará a experiência do seu usuário. Independentemente de o Google ranquear melhor sites amigáveis, ter um site que seja bem visualizado em celulares e tablets é importante para o sucesso do seu site.

Como otimizar seu site para Mobile Friendly

Com o lançamento da atualização do algoritmo para buscas móveis o Google disponibilizou também ferramentas para que os sites pudessem se adaptar a esta nova realidade. Para verificar se o seu site é compatível com dispositivos móveis, utilize esta ferramentas:(https://search.google.com/search-console/mobile-friendly).

O Google ainda criou um documento para auxiliar quem ainda precisa ajustar seu site para se tornar amigável a dispositivos móveis (https://developers.google.com/webmasters/mobile-sites/). Um ponto importante a ressaltar que para seu site ser considerado mobile friendly, não basta apenas o layout aparecer bonito para o usuário no celular, o crawler do Google não vê a mesma coisa que os usuários e ajustes no robots.txt talvez sejam necessários.

Possum

possum

Possum é uma atualização de setembro de 2016 do algoritmo do Google e que impacta diretamente as buscas locais e está diretamente relacionada ao Google Maps. O objetivo da atualização é oferecer ao usuário ainda mais precisão geográfica nos resultados das pesquisas. Geralmente quando o usuário faz uma pesquisa sobre algum serviço, como por exemplo, restaurante, o Google apresentará uma mapa de localização e abaixo uma lista de 3 restaurante mais próximos.

O Google identificou nos últimos anos um crescimento nas buscas por palavras-chave seguidas do termo “perto de mim”. O Possum veio para melhorar a experiência desta usuário, mostrando resultados mais regionais de acordo como IP da máquina, tablet ou smartphone da pessoa. A atualização deve tornar obsoletas técnicas de super otimização de titles por nome de locais e regiões. Outra conclusão que é possível chegar é que o Google considera mais apenas o endereço da empresa e o telefone para fins de resultados de buscas.

Alguns pontos que precisam ser considerados a partir do atualização Possum são os seguintes:

  • A localização exata do usuário é muito mais importante. Se você fizer uma busca local para clínica de estética a SERP mostrar determinadas clínicas próximas. Porém, se você caminhar mais 500 metros, possivelmente, o resultado da mesma pesquisa exibirá clínicas de estéticas diferente devido à localização
  • Negócios fora dos limites da cidade tiveram ranqueamento melhorado. O Google não considera mais apenas os limites geográficos da cidade, mas o posicionamento do usuário. Ou seja, se o serviço mais próximo estiver em outra cidade, o Google exibirá este resultado mesmo que você esteja em outra cidade
  • Há uma maior variação no resultado da busca dependendo o termo específico pesquisa pelo usuário. Por exemplo, quando você busca por “dermatologista Rio de Janeiro” o Google apresentará resultados bem diferentes em relação à pesquisa por “dermatologista RJ”​

Hummingbird

Proporcionar ao usuário resultados mais ágeis e precisos foi o objetivo do algoritmo Hummingbird (beija-flor, em inglês), lançado em 2013. O conteúdo se tornou o fator de ranqueamento mais importante do Google nos últimos anos com atualizações de algoritmo como Penguin e Panda. O Hummingbird veio para complementar esta tendência.

A atualização do Hummingbird tem por função mostrar resultados que vão além da palavra-chave buscada pelo usuário. O Google passa então e levar em conta o campo semântico do termo pesquisado, bem como o contexto no qual o termo está inserido, além de considerar a relação desta busca específica com as pesquisas passadas feitas pelo usuário. Por exemplo, quando você busca por “comprar automóvel” é bem provável que o resultado desta busca já inclua termos como “carro”, “veículo”, “concessionárias”, “dicas para comprar carro”.

Com as atualizações do algoritmo do Google o trabalho de SEO se transformou nos últimos anos e se tornou cada vez mais complexo. Estratégias mais simples e que costumavam gerar resultados em termos de ranqueamento se tornaram obsoletas como, por exemplo, criar um site com a URL específica da palavra-chave que você quer trabalhar. Esta era uma prática comum e que dava resultado. No entanto, atualmente, você pode criar este site, mas apenas a URL não fará seu site ranquear bem se não houver um ótimo conteúdo para o usuário.

Outra prática comum e que se tornou obsoleta é o chamado keyword stuffing. Ou seja, espalhar a palavra-chave diversas vezes no conteúdo de forma forçada. Como o Google trabalha agora com o campo semântico, tornar o texto mais orgânico e fluido é a melhor estratégia. O ideal é que palavras-chave e termos relacionados sejam trabalhando no decorrer do texto e nas headings tags (H1, H2, H3, H4, etc).

Algumas dicas são válidas para garantir uma boa otimização, que gere resultados efetivos em termos de ranqueamento e evite punições do Google:

  • Utiliza as palavras-chave de forma correta nas suas landing pages
  • Crie conteúdo mais relevante e completo buscando se aprofundar no tema, utilizando além da palavra-chave exata, sinônimos e termos relacionados
  • Evite o excesso de palavras-chave dentro de um conteúdo
  • Quando for fazer linkbuilding evite usar sempre o texto-âncora exato
  • Trabalhe bem o atributo ALT nas imagens, eles podem trazer tráfego importante para seu site

Fred

fred

​Fred é um update do Google que trabalha na análise  de conteúdos. Esse update continua seguindo a diretriz mais conhecida do Google, gerar ao usuário uma boa navegação com um conteúdo relevante e genuíno.

Os pontos de destaque que temos para o Fred são:

    • Um conteúdo bem escrito e genuíno é fundamental para determinar a relevância de uma página.
    • Uma pagina com conteúdo bem estruturado, proporcionando ao usuário uma boa leitura é fundamental.

    Mais uma vez, fica claro para nós que um bom projeto de SEO deve se organizar para monitorar as atualizações do Google.

    O que fazemos

    seo para e-Commerce

    SEO para e-Commerce

    e-Commerce e crise vem andando no sentido inverso de 2016 pra cá, muito se fala na migração de lojas físicas para o ambiente online, e é nesse nicho que a Search Lab atua: SEO para e-Commerce.

    Antes de colocarmos a mão na massa, analisamos cenário, características do mercado, players e principalmente o site que será trabalhado. Depois de todos os insumos, planejamos o projeto seguimos em frente.

    O e-Commerce tem características bem específicas para cada nicho, como comportamento de compra, termos sazonais e concorrentes dos mais diversos tamanhos.

    Migração de plataforma

    No nosso caso, quando falamos em mudança de plataforma, acrescentamos o aproveitamento de oportunidades. Afinal de contas, uma migração é muito mais que o De / Para.

    A migração de plataforma envolve uma série de riscos e questões de UX e backend  que impactam diretamente em SEO e nem sempre são vistas com o cuidado que merecem.

    Migração de Plataforma

    consultoria de seo

    Consultoria em SEO

    A rotina do SEO está longe de ser algo simples, como já foi há um tempo. Todo trabalho exige uma série de acompanhamentos dos algoritmos, monitorar concorrência, buscar oportunidades, além é claro de toda frente tecnológica e de desenvolvimento.

    Para isso, a Search Lab desenvolve projetos personalizados de Consultoria de SEO, que vão desde entregáveis pontuais (como guides e análises) até colocar a mão na massa.

    Os projetos de consultoria podem ser para criação de sites, análise de mercado, benchmarks, entre outros.

    Para todas as questões que preocupam gerentes e donos de negócios, a Search Lab está de portas abertas para conversar sobre os desafios e montar projetos específicos para cada tipo de necessidade.

    Podemos dar o próximo passo?

    Adoramos conversar sobre SEO e Marketing Digital. Se você tem um desafio ou quer explorar algo novo, conte com a Search Lab.

    Esse formulário é grande e sabemos disso. Para elaborarmos uma proposta, precisamos entender sobre o seu mercado, tecnologia e oportunidades.

    Depois de tudo entendido, daremos o próximo passo. Nós usamos muito tempo nessa fase para não ter problemas nas próximas. Vendemos o que realmente iremos fazer.

    Contato

    Telefone: (21) 3602-6698

    E-mai: contato@searchlab.com.br

    Fale com um especialista!